Com corte no orçamento, Receita pode ter de fechar um terço de suas agências, diz sindicato

Home / Artigos / Com corte no orçamento, Receita pode ter de fechar um terço de suas agências, diz sindicato

Com corte no orçamento, Receita pode ter de fechar um terço de suas agências, diz sindicato

No projeto de lei orçamentária de 2020, o repasse para o Fisco caiu de R$ 2,8 bilhões neste ano para R$ 1,8 bilhão no próximo, o menor valor em 12 anos

Receita Federal só terá recursos para bancar os sistemas de informática do órgão até agosto e poderá fechar um terço de suas unidades em 2020. No projeto de lei orçamentária de 2020, o governo cortou 36% dos recursos para chamadas despesas discricionárias do órgão, que incluem de aluguéis a investimentos em tecnologia.

O orçamento do Fisco passou de R$ 2,8 bilhões neste ano para R$ 1,8 bilhão no próximo, o menor valor em 12 anos. O montante não inclui despesas com o pagamento dos servidores, que são obrigatórias.

“O País está em crise fiscal e você vai economizar com o órgão que arrecada? Isso só vai atrapalhar na arrecadação, o governo corta R$ 1 bilhão, mas vai perder dezenas de bilhões”, afirma o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais (Sindifisco), Kleber Cabral.

Segundo o sindicato, a Receita poderá ter um “shutdown” (paralisia) em seus sistemas em agosto do ano que vem, já que só tem recursos para pagar o equivalente a oito meses para o Serpro, responsável por tecnologias como o sistemas de declaração e restituição de Imposto de Renda, de arrecadação de tributos e de desembaraço aduaneiro.

O montante destinado ao pagamento do Serpro caiu de cerca de R$ 1 bilhão neste ano para R$ 600 milhões no próximo. Além disso, houve um corte nos recursos para a manutenção de unidades, que passou de R$ 600 milhões para R$ 400 milhões, despesas que incluem aluguel de prédios, papelaria, água, luz e cafezinho.

A previsão do sindicato é que, com isso, delegacias e postos de atendimento sejam fechados. “Não tem um plano de contingência estabelecido ainda, então não sabemos o que será cortado. Grosso modo, a Receita terá que escolher um terço de suas unidades para fechar”, disse Cabral.

Para o auditor, o sistema de comércio exterior (Siscomex) será um dos mais afetados com o corte, o que poderá gerar reclamações de empresários. A falta de recursos deverá frear a expansão do portal único e do Operador Econômico Autorizado, (OEA), que facilitarão o desembaraço na importação e exportação.  “O empresariado está contando com isso para ganhar agilidade, é o mais impactante para as empresas”, completou.

Em anos anteriores, cabia ao Ministério do Planejamento a elaboração do Orçamento e, com isso, o próprio secretário da Receita Federal costumava “peregrinar” por gabinetes no Congresso Nacional tentando levantar mais recursos para o órgão. Neste ano, porém, foi o próprio Ministério da Economia quem elaborou a proposta, o que dificultou a movimentação da Receita, já que o Orçamento foi elaborado pelo próprio chefe do secretário, o ministro da Economia, Paulo Guedes.

A previsão é que o relator do projeto de Orçamento, deputado Domingos Neto (PSD-CE), apresente o relatório e que o texto seja votado pelo Congresso Nacional nesta semana.

O Ministério da Economia e a Receita Federal foram procurados pela reportagem, mas não responderam.

Fonte: Estadão

Start typing and press Enter to search